Google+ Followers

LEIA O TEXTO EM OUTRAS LÍNGUAS / READ TEXT IN OTHER LANGUAGES

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Os desafios da educação no Brasil para os próximos 4 anos




SÃO PAULO - Melhorar a qualidade da educação não será o único desafio nos próximos anos. Até 2016 o país terá que universalizar o atendimento das crianças de 4 e 5 anos e dos jovens de 15 a 17. A exigência foi incluída na Constituição Brasileira, tornando obrigatória a matrícula de quem está na faixa dos 4 a 17 anos.
Ao contrário do que ocorre no Ensino Fundamental, em que 98,4% da população de 6 a 14 anos já frequenta a escola, esse índice não passava de 81,4%, entre as crianças de 4 e 5 anos, e 84,3%, na faixa dos 15 aos 17.
O novo Plano Nacional da Educação - PNE aponta caminhos para o país avançar. Um deles prevê a rediscussão dos currículos de Ensino Fundamental e Médio pelos estados, municípios e pelo governo federal.
A proposta é estabelecer uma base comum nacional com a definição de níveis mínimos de aprendizagem por série. Até o ano que vem, as três esferas de governo deverão ainda estabelecer uma política nacional de formação de professores. Aumentar salários, garantir planos de carreira aos profissionais da educação e adotar o piso do magistério como referência são outros desafios.
Para dar conta das novas despesas, o PNE determina o aumento de gastos públicos com educação para 7% do Produto Interno Bruto - PIB, soma de bens e serviços produzidos no país, em um ano, a partir de 2019. Em 2024 deverá ser atingido o patamar de 10% do PIB.
A elevação da escolaridade dos brasileiros é considerada peça-chave para a redução da pobreza e o aumento da produtividade.
O analfabetismo absoluto de 8,5% da população de 15 anos ou mais deverá ser reduzido para 6,5% até 2019, conforme o PNE, que dá prazo de dez anos para a erradicação do problema.
As metas de melhoria da qualidade exigirão esforço recobrado, especiamente no Ensino Médio. De 2005 a 2013, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica - IDEB do Ensino Médio subiu apenas 0,3 ponto, de 3,4 para 3,7, na escala até 10.
Para 2019, a meta é chegar a 5, isto é., um aumento de 1.3 ponto. Nas séries finais do Ensino Fundamental, será preciso passar de 4,2 para 5,2; nas séries iniciais, de 5,2 para 5,7.
Já no Programa Internacional de Avaliação de Alunos - PIS, o avanço estipulado no PNE é de 402 para 455 pontos, na pontuação média de Matemática, Leitura e Ciências.


Fonte: www.globo.com.br
http://oglobo.globo.com/blogs/educacao/posts/2014/10/28/desafios-da-educacao-no-segundo-mandato-de-dilma-553381.asp

Por Rubem Tadeu - Presidente da AFAMA
rtcastroalves@bol.com.br

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Conheçam as regras para elaboração de uma Redação Padrão no Enem




SÃO PAULO - Faltam nove dias para o início do Exame Nacional do Ensino Médio - Enem, marcado para os dias 8 e 9 de novembro, e o blog da Associação dos Atalaienses começa nesta quinta-feira, 30, uma contagem regressiva com dias importantes para os 8,7 milhões de candidatos incritos para as provas. A primeira dica é sobre redação, que será aplicada no segundo dia de prova, 9. Veja dicas para um bom texto e as regras que são aplicadas para a correção da redação.

POR ONDE COMEÇAR

1. Calcule o tempo. Separe uma hora para fazer a redação;
2. Encontre o tema. Organize as ideias e pense quais argumentos você vai defender;
3. Escreva primeiro no rascunho. Faça os ajustes necessários. Releia o que escreveu para ver se está tudo compreensível e se não tem nenhum erro. Só depois transcreva o texto final para a folha oficial. As boas redações não têm nenhuma rasura;
4. Capriche na letra. O examinador precisa entender o que você escreveu;
5. Alguns professores recomendam começar pelo meio, a parte dos argumentos, para depois fazer a introdução.

COMO DIVIDIR O TEXTO

1. Divida o texto em parágrafos. Tem que dar a margem antes de iniciar um novo parágrafo. E coloque ponto final ao terminar;
2. Faça um texto com 30 linhas. Dê um título de quatro a cinco palavras. O título não é obrigatório segundo o edital, mas ajuda a enriquecer a prova;
3. Não escreva em primeira pessoa. Faça uma dissertação usando a terceira pessoa do singular ou plural (ele, ela, eles, elas);
4. Leve a prova a sério. Não faça piadinhas, brincadeiras, nem seja preconceituoso nas ideias;
5. Seja simples e objetivo. Pode escrever com simplicidade. Não precisa se preocupar com texto muito elaborado com vocabulário muito intelectual. Enem pede texto correto e coeso;
6. Não fuja ao tema proposto. Segundo o edital, quem fugir ao tema deliberadamente vai ganhar nota zero.
Segundo as regras do Enem, "o título é um elemento opcional na produção da sua redação e será considerado como linha escrita".

O QUE PODE DAR ZERO À SUA REDAÇÃO

1. Não atender a proposta solicitada ou desenvolver outra estrutura textual que não seja a do tipo dissertativo-argumentativo;
2. Entregar a folha de redação sem texto escrito;
3. Escrever até 7 (sete) linhas, qualquer que seja o conteúdo;
4. Impropérios, desenhos e outras formas propositais de anulação;
5. Desrespeito aos direitos humanos;
6. Parte do texto deliberadamente desconectada com o tema proposto;

COMO FUNCIONA A CORREÇÃO

Um bom texto para ganhar nota 1.000 deve cumprir bem cinco competências exigidas pela redação do Enem. Cada competência tem cinco faixas que vão de 0 a 200 pontos:

Competência 1: demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita;
Competência 2: compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo;
Competência 3: selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista;
Competência 4: demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação;
Competência 5: elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos;
A redação será corrigida por dois corretores de forma independente. A nota total de cada corretor corresponde à soma das notas atribuídas a cada uma das cinco competências.
Se houver discrepância entre as notas dos dois corretores por mais de 100 pontos, ou se a diferença de suas notas em qualquer uma das competências foi superior a 80 pontos, a redação vai para um terceiro corretor.
Caso não haja discrepância entre o terceiro corretor e os outros dois corretores, ou caso haja discrepância entre o terceiro corretor e apenas um dos corretores, a nota final do candidato será a média aritmética entre as duas notas totais que mais se aproximarem.
Se a nota do terceiro corretor tiver diferença equidistante das notas dos outros dois corretores, ou se for completamente diferente, a redação será avaliada por uma banca de três avaliadores que dará a nota definitiva.

TEMAS SOLICITADOS EM REDAÇÕES ANTERIORES

1998 - Viver e aprender
1999 - Cidadania e participação social
2000 - Direitos da criança e do adolescente: como enfrentar esse desafio nacional
2001 - Desenvolvimento e preservação ambiental: como conciliar os interesses em conflito?
2002 - O direito de votar: como fazer dessa conquista um meio para promover as transformações sociais que o Brasil necessita?
2003 - A violência na sociedade brasileira: como mudar as regras desse jogo
2004 - Como garantir a liberdade de informações e evitar abusos nos meios de comunicação
2005 - O trabalho infantil na sociedade brasileira
2006 - O poder de transformação da leitura
2007 - O desafio de se conviver com as diferenças
2008 - Como preservar a floresta Amazônica: suspender imediatamente o desmatamento; dar incentivo financeiro a proprietários que deixarem de desmatar; ou aumentar a fiscalização e aplicar multas a quem desmatar.
2009 - O indivíduo frente à ética nacional
2010 - O trabalho na construção da dignidade humana
2011 - Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado
2012 - Movimento imigratório para o Brasil no século 21
2013 - Efeitos da impantação da Lei Seca no Brasil

Fonte: www.g1.com.br

Por Rubem Tadeu - Presidente da AFAMA
rtcastroalves@bol.com.br

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Confirmação de inscrição no Enem está disponível a partir desta segunda-feira (27)


Provas do Enem acontecem nos dias 8 e 9 de novembro em todo o Brasil



Os cartões de confirmação de inscrição no Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM estão disponíveis a partir desta segunda-feira, 27, na internet. Para ter acesso, o estudante deve informar o CPF e a senha escolhida na hora da inscrição. Também a partir desta segunda, os mesmos cartões começam a chegar pelo correio, no endereço informado na inscrição.
O documento de confirmação traz os dados pessoas do participante - nome, CPF, número de inscrição do ENEM, data, hora e local das provas, opção de língua estrangeira - inglês ou espanhou -, necessidade de atendimento especializado ou específico (quando houver) e indicação de solicitação de certificação do Ensino Médio (se for o caso).
Aqueles que acessaram o cartão pela internet deverão conferir as informações e imprimí-lo, se desejarem. Não é obrigatório levar o cartão no dia da prova. No entanto, é indispensável apresentar um documento de identificação com foto, como carteira de identidade, carteira de trabalho e carteira de motorista.
Segundo o instituto, quem não receber o csartão, não conseguir imprimir pela internet ou constatar erro no documento, deve entrar em contato com o atendimento ao participante, no telefone 0800-61 61 61.
Caso cartões enviados pelo correio sejam devolvidos, o Institutoo Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira entrará em contato com os candidatos por meio de sms e mensagem eletrônica, por celular e e-mail.
As provas do ENEM serão nos dia 8 e 9 de novembro. Mais de 8,7 milhões se inscreveram para o exame.
Para se preparar para o ENEM, o aluno pode acessar o aplicativo Questões ENEM. O banco de questões da Empresa Brasil de Comunicação - EBC reúne itens de 2009 a 2013 com os quais o estudante pode treinar para o exame. O acesso é gratuito.

Fonte: www.acritica.com.br  (Mariana Tokarnia - Agência Brasil)

Por Rubem Tadeu - Presidente da AFAMA
rtcastroalves@bol.com.br