Google+ Followers

LEIA O TEXTO EM OUTRAS LÍNGUAS / READ TEXT IN OTHER LANGUAGES

sexta-feira, 28 de março de 2014

CANADÁ NÃO VAI MAIS PERMITIR QUE ESTUDANTES DE IDIOMAS TRABALHEM

Canadá mudou algumas regras para a concessão de visto (Foto: Chris Wattie/Ottawa)
 
 
 
Medida vai valer para alunos com vistos emitidos depois do dia 1 de junho. Mudança é para que o jovem fique mais focado no curso, diz consulado
 
 
 
SÃO PAULO - Após o dia 1 de junho, os estrangeiros que vão para o Canadá fazer cursos de inglês e francês não terão mais permissão para trabalhar independentemente do tempo de permanência nos país. A nova regra vale somente para os alunos de cursos de idiomas com vistos emitidos depois do dia 1 de junho. A mudança, segundo o Consulado Geral do Canadá em São Paulo, entre outros objetivos, é para que o intercambista possa ficar mais focado em concluir o programa de estudos.
Para os alunos de cursos de graduação e pós, com duração de no mínimo seis meses, as regras de trabalho foram facilitadas. A partir desta data, eles poderão trabalhar no máximo 20 horas por semana fora dos campi das instituições, sem ter de solicitar permissão. Antes, estes alunos só podiam trabalhar dentro dos campi, ou caso contrário, tinham de pedir autorização ao consulado. O Consulado Geral do Canadá em São Paulo informou que é comum que os países revejam seus programas e façam modificações. Ainda, segundo o consulado, os estudantes interessados em programas de idiomas não possuem habilidades linguísticas necessárias para ter uma experiência significativa no mercado de trabalho do Canadá. Os regulamentos existem para garantir que esses alunos estejam claramente focados em completar seu programa de estudo durante essa curta estadia no Canadá, dia a nota.
O consulado afirma que o país é mundialmente conhecido pela qualidade do ensino e de vida, e que os estudantes levam estes pontos em consideração na hora de escolher o destino do intercâmbio. Hoje o Canadá é o líder entre os destinos preferidos dos brasileiros que querem aprender inglês no exterior. Segundo a Associação Brasileira de Organizadores de Viagens Educacionais e Culturais-BELTA, 60% das agências de intercâmbio do país apontaram que em 2013 o Canadá foi o país que mais recebeu brasileiros interessados em aprender idiomas. De acordo com o consulado, em 2012, havia mais de 265 mil estudantes internacionais matriculados em programas de estudo de mas de seis meses.
Para agilizar os procedimentos de visto, o Canadá criou centros de solicitação em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, autorizados a receber os pedidos. Também e possível fazer a inscrição on-line para certos tipos de vistos, como o de visitante temporário. Outra mudança é que o visto que permitia uma única entrada no país foi extinto e substituído pelo de múltiplas entradas.
 
OUTROS PAÍSES QUE PERMITEM TRABALHO
 
Se a regra vai mudar no Canadá, em  países como Irlanda, Austrália e Nova Zelândia, o intercambista estrangeiro matriculado em cursos de idiomas pode trabalhar. O Presidente da BELTA, Carlos Robles, diz que essa possibilidade é um fator que atrai quem quer aprender idiomas no exterior e vai além da necessidade de complementar a renda para custear as despensas.
"Muitos estudantes que procuram o intercâmbio também querem uma oportunidade de trabalho, alé de idioma. Às vezes, a opção pelo trabalho nem é tanto para ter uma fonte de renda, mas é mais pelo currículo. O trabalho fora do país é muito valorizado, mesmo que seja uma experiência curta e diferente da área de atuação, demonstra flexibilidade e dá um UP grande no currículo", afirma Robles.
 
Fonte: www.g1.com

Por Rubem Tadeu - Presidente da AFAMA
rtcastroalves@bol.com.br

quinta-feira, 27 de março de 2014

MEC DIVULGA PRIMEIRA CHAMADA DE APROVADOS NO SISUTEC

Candidato pode consultar o resultado no alto da página do Sisutec (Foto: Reprodução)
 
 
 

BRASÍLIA - O Ministério da Educação divulgou nesta terça-feira, 25, a relação dos aprovados em primeira chamada no Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica-SISUTEC. A lista dos aprovados pode ser consultada no site do programa. O candidato pode consulta seu resultado na opção "ver meu boletim", ou acessar as listas de aprovados nos 122 cursos disponíveis pelo filtro por instituição, local de oferta, curso e turno.
A matrícula dos convocados nesta primeira chamada começa nessa quarta, 26, e termina amanha - sexta-feira, 28, na instituição de ensino onde o estudante foi aprovado. A segunda chamada será realizada no dia 1 de abril.
No total 527.730 estudantes se inscreveram. Como cada candidato pode fazer até duas opções de curso, o tal de inscritos ultrapassou a faixa de 1 milhão - foram 1.016.211 inscrições.
Desse total, 291.228 vagas foram disponibilizadas em 122 cursos técnicos de 937 instituições de ensino públicas e privadas, além das escolas do Senai e do Senac. No caso da rede particular, se contemplado, o aluno terá bolsa de estudo. A seleção é feita a partir do desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM de 2013. Para concorrer, o aluno não pode ter tirado zero na redação.
Entre as vagas oferecidas nesta seleção, 85% serão destinadas para estudantes que, independentemente de renda per capita familiar, tenham cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou em instituições privadas, na condição de bolsista integral.
Além disso, metade dessas vagas serão reservadas para alunos com renda per capita de até 1,5 salário-mínimo. Mas, para ocupar uma dessas vagas, não é permitido que o aluno continue matriculado em outro curso técnico de nível médio ou superior, ou curso de graduação, em instituições públicas ou privadas como bolsista.
 
DISTRIBUIÇÃO
 
Nesta edição, 937 instituições estão habilitadas para participar. Do total, 246.228 vagas, ou 85%, estão em instituições de ensino superior ou escolas técnicas de nível médio particulares; 8.040 estão na rede federal de ensino e 37.070 são oferecidas pelo Sistema S de ensino. De acordo com o Ministro Henrique Paim, o governo decidiu utilizar essa infraestrutura das instituições privadas e, a partir dessa infraestrutura, garantir maior acesso dos estudantes brasileiros aos cursos de ensino técnico.
A maioria das vagas é oferecida na Região Sudeste do Brasil, que responde por 55,72% delas. O Nordeste vem na segunda posição, com 14,45% das vagas, seguido do Sul com 13,92%, Centro-Oeste com 11,63% e Norte com 4,28%. Segundo o Ministro da Educação, esta é uma distribuição natural para o panorama atual da oferta de ensino técnico e profissionalizante.

Fonte: www.g1.com.br


Por Rubem Tadeu - Presidente da AFAMA
rtcastroalves@bol.com.br

quarta-feira, 26 de março de 2014

MARCO CIVIL NA INTERNET TEM PRIMEIRO PASSO CONQUISTADO NA CÂMARA FEDERAL

Apoiadores acompanharam da galeria da Câmara legislação considerada a constituição da rede (Foto: Gustavo Lima/Câmara)I



BRASÍLIA - Após meses de intensas negociações, a Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira, 25, por votação simbólica, a criação do Marco Civil da Internet, projeto considerado uma espécie de constituição da rede mundial de computadores. Depois das concessões do governo em pontos antes considerados cruciais pelo Planalto, partidos aliados e da oposição retiraram todas as 12 propostas de alteração ao texto que haviam sido apresentadas em plenário. Até o PMDB, maior crítico ao relatório do Deputado Alessandro Molon, PT-RJ, cedeu e se absteve de defender quaisquer modificações na redação. A proposta, que estabelece direitos e deveres de usuários e provedores de rede, seguirá agora para análise no Senado antes de ir à sanção presidencial.
Considerado prioridade pelo governo, o Marco Civil da Internet impedia a deliberação de outros projetos de lei no plenário desde outubro do ano passado, já que tramitava em regime de urgência.

NEUTRALIDADE 

Um dos pilares do projeto, a neutralidade de rede, sofreu algumas alterações no texto, mas foi mantido. Por esse princípio, os provedores não podem ofertar conexões diferenciadas, por exemplo, para acesso somente a e-mails, vídeos ou redes sociais. O principal entrave estava na regulamentação do princípio pelo Poder Executivo, principalmente em relação às exceções à norma.
O texto original previa que a neutralidade fosse regulamentada por meio de decreto presidencial. partidos da oposição e da base aliada, sobretudo o PMDB, temiam que assim a Presidente da República fizesse alterações significativas sem ouvir o Congresso. Para obter acordo, Molon especificou que o tema seria regulamentado para fiel execução desta lei, sem autonomia para grande modificação por parte da Presidente.
O objetivo é destacar que a regulamentação serve exclusivamente para viabilizar a aplicação da Lei do Marco Civil da Internet. Além disso, o relator incluiu ainda a obrigatoriedade de a Presidente ouvir a Agência Nacional de Telecomunicações-ANATEL e o Comitê Gestor da Internet-GGI antes de formular o decreto.
De acordo com o relator do texto, as exceções servirão para garantir prioridade a serviços de emergência e a qualidade de algumas transmissões, como vídeos ao vivo. Assim, a transmissão de e-mails, por exemplo, pode ter menor prioridade no tráfego de dados em prol de outros serviços.
Críticos da neutralidade dizem que o princípio restringe a liberdade dos provedores para oferecer conexões diferenciadas conforme demandas específicas de clientes e que sua aplicação obrigatória pode encarecer o serviço para todos indistintamente. A proposta não impede a oferta de pacotes com velocidade diferenciada.

ARMAZENAMENTO DE DADOS

Para viabilizar a aprovação da proposta, o governo também abriu mão do armazenamento no Brasil de dados de usuários brasileiros, com a instalação de data centers no país de empresas de internet, como o Google e o Facebook.
A medida tinha o objetivo de garantir a privacidade dos internautas e de dados do próprio governo brasileiro diante das denúncias de que os Estados Unidos teriam espionado comunicações da Presidente Dilma Rousseff com ministros e assessores.
No entanto, parlamentares da base aliada se opunham à proposta argumentando que a exigência iria encarecer o acesso na internet. Para obter acordo, o relator da proposta, Deputado Alessandro Molon, retirou esse trecho do projeto, com o aval do Planalto, mas reforçou que empresas internacionais precisam respeitar a legislação brasileira no tocante a transmissões de rede ocorridas no país.

RETIRADA DE CONTEÚDO

De acordo com o projeto, provedores de conexão à web e aplicações na internet não serão responsabilizados pelo uso que os internautas fizerem da rede e por publicações feitas por terceiros.
Atualmente não há regras específicas sobre o caso e as decisões judiciais variam - alguns juízes punem sites como o Facebook e o Google por páginas ofensivas criadas por usuários, enquanto outros magistrados optam por penalizar apenas o responsável pelo conteúdo.
Com a nova legislação, as entidades que oferecem conteúdo e aplicações só serão responsabilizadas por danos gerados por terceiros se não acatarem ordem judicial exigindo a retirada dessas publicações. O objetivo da norma, segundo Molon, é fortalecer a liberdade de expressão na web e acabar com o que chama de censura privada.
O trecho era alvo de polêmica, sobretudo entre parlamentares do PMDB. Para o partido, esse artigo ajuda os provedores, mas prejudicará pessoas que eventualmente se sintam constrangidas por algum conteúdo publicado que seja evidentemente ilegal. Isto porque os provedores poderão não se sentir obrigados a retirar o conteúdo após a mera notificação do usuário, já que eles terão a garantia de que serão responsabilizados se descumprirem ordem judicial exigindo a indisponibilidade da publicação.

FIM DO MARKETING DIRIGIDO

Pelo texto aprovado, as empresas de acesso não poderão espiar o conteúdo das informações trocadas pelos usuários na rede. Há interesse em fazer isso com fins comerciais, como para publicidade, nos moldes do que Facebook e Google fazem para enviar anúncios aos seus usuários de acordo com as mensagens que trocam.
Essas normas não permitirão, por exemplo, a formação de bases de clientes para marketing dirigido, segundo Molon. Será proibido monitorar, filtrar analisar ou fiscalizar o conteúdo dos pacotes, salvo em hipóteses previstas por lei.

SIGILO E PRIVACIDADE

O sigilo das comunicações dos usuários da internet não pode ser violado. Provedores de acesso à internet serão obrigados a guardar os registros das horas de acesso e do fim da conexão dos usuários pelo prazo de seis meses, mas isso deve ser feito em ambiente controlado.
A responsabilidade por esse controle não deverá ser delegada a outras empresas. Não fica autorizado o registro das páginas e do conteúdo acessado pelo internauta. A coleta, o uso e o armazenamento de dados pessoais pelas empresas só poderão ocorrer desde que especificados nos contratos e caso não sejam vedados pela legislação.

Fonte: www.g1.com

Por Rubem Tadeu - Presidente da AFAMA
rtcastroalves@bol.com.br

sábado, 15 de março de 2014

SISUTEC OFERECE 5% DAS VAGAS EM CURSOS TÉCNICOS GRATUITOS PARA A REGIÃO NORTE DO BRASIL

Foto: Reprodução/Shutterstock
 
 
 
BRASÍLIA - O Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica - SISUTEC, em sua primeira edição este ano, tem 291.338 vagas em cursos técnicos para quem concluiu o Ensino Médio. Os cursos são gratuitos e têm início previsto para o período de 14 de abril a 12 de maio. Das vagas ofertadas quase 60% são disponíveis para as regiões Sul e Sudeste e cerca de 5% para a Região Norte.
As inscrições ocorrem no site do SISUTEC, de 17 a 21 de março. As vagas para os cursos serão ocupadas, prioritariamente, por estudantes que tenham cursado o Ensino Médio completo em escolas da rede pública ou, se em instituições privadas, na condição de bolsista integral. O aluno também deverá ter se submetido à edição do Exame Nacional do Ensino Médio - ENEM referente ao ano de 2013 e, cumulativamente, ter obtido nota acima de zero na prova de redação.

A divulgação dos resultados, em primeira chamada, está prevista para dia 25 de março e a segunda chamada para o dia 1 de abril. Após a realização das duas chamadas, todos aqueles que tenham concluído o Ensino Médio poderão concorrer às vagas remanescentes. A oferta de cursos do SISUTEC é feita em instituições públicas e privadas.
O PRONATEC já ofertou mais de 6 milhões de matrículas, sendo 1,7 milhão em cursos técnicos e 4,3 milhões em cursos de qualificação profissional. Na primeira edição do SISUTEC, realizada no segundo semestre de 2013, foram ofertadas 239.792 vagas. O aumento de 51.546 vagas do ano passado para este ano representa um crescimento de 21%.
 
 
 
Por Rubem Tadeu - Presidente da AFAMA
 
 

segunda-feira, 10 de março de 2014

RECEITA FEDERAL DO BRASIL LANÇA EDITAL PARA 278 VAGAS DE AUDITOR

imagem
 
 
BRASÍLIA - A Receita Federal do Brasil divulgou nesta segunda-feira, 10, o edital para a carreira de Auditor-Fiscal. Serão preenchidas 278 oportunidades, sendo 14 destinadas às pessoas com deficiência.
Para concorrer, o candidato deve possuir Ensino Superior completo em qualquer área. Com jornada de trabalho de 40 horas semanais, a remuneração inicial é de R$ 14.965,44 (quatorze mil, novecentos e sessenta e cinco reais e quarenta e quatro centavos).
As inscrições serão aceitas entre os dias 13 e 27 de março pelo site da Escola Superior de Administração Fazendária - ESAF (www.esaf.fazenda.gov.br) e o valor da taxa de participação é de R$ 130 (cento e trinta reais).
A seleção contará com as etapas de provas objetivas de conhecimentos gerais, provas objetivas de conhecimentos específicos e provas discursivas, além de sindicância da vida pregressa. As avaliações objetivas e discursivas estão marcadas para os dias 10 e 11 de maio, em locais e horários a serem informados oportunamente no Diário Oficial da União e no site da ESAF.
Os exames objetivos de conhecimentos gerais trarão questões de Língua Portuguesa (20), Espanhol ou Inglês (10), Raciocínio Lógico-Quantitativo (10), Administração Geral e Pública (10), Direito Constitucional (10) e Direito Administrativo (10). Já os testes de conhecimentos específicos contarão com perguntas sobre Direito Tributário (15), Auditoria (10), Contabilidade Geral e Avançada (20), Legislação Tributária (10) e Comércio Internacional e Legislação Aduaneira (15).
No caso da prova discursiva, serão duas questões, sendo uma referente ao conteúdo da disciplina de Direito Tributário e outra envolvendo Comércio Internacional e Legislação Aduaneira.
 
PRINCÍPAIS ATRIBUIÇÕES
 
Constituir, mediante lançamento, o crédito tributário e de contribuições; elaborar e proferir decisões ou delas participar em processo administrativo-fiscal, bem como em processos de consulta, restituição ou compensação de tributos e contribuições e de reconhecimento de benefícios fiscais; executar procedimentos de fiscalização, praticando os atos definidos na legislação específica, inclusive os relacionados com o controle aduaneiro, apreensão de mercadorias, livros, documentos, materiais, equipamentos e assemelhados, examinar a contabilidade de sociedades empresariais, empresários, órgãos, entidades, fundos e demais contribuintes, não se lhes aplicando as restrições previstas nos artigos 1.190 a 1.192 do Código Civil e observado o disposto no artigo 1.193 do mesmo diploma legal; proceder à orientação do sujeito passivo no tocante à interpretação da legislação tributária; supervisionar as demais atividades de orientação ao contribuinte.
 
Por Rubem Tadeu - Presidente da AFAMA
 
 

domingo, 9 de março de 2014

ESTADO DO PARÁ TEM 16 FACULDADES ILEGAIS COM ATIVIDADE SUSPENSA NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS

Foto: Reprodução/Shutterstock 
 
 
 
BELÉM - Dezesseis (16) é o número de cursos de graduação suspensos no Estado do Pará nos últimos dois anos por serem abertos sem autorização oficial ou por descumprirem outras regras estabelecidas pelo Ministério da Educação-MEC. Os dados são de levantamento realizado nesta semana pelo Ministério Público Federal no Pará - MPF.PA, autor de ações judiciais que levaram à suspensão de cursos pela Justiça Federal e de Termos de Ajustamento de Conduta - TAC para interrupção dos cursos pelas próprias empresas irregulares. As duas últimas suspensões foram determinadas neste ano pela Justiça Federal. Foram suspensos os cursos de graduação e pós-graduação oferecidos pelo Instituto Brasileiro de Educação e Saúde - IBES, em sentença assinada em janeiro, e os oferecidos pela parceria entre o Instituto Educacional Convictus, a Faculdade Aberta de Filosofia, Teologia, Educação Física e Pedagogia Religiosa - FAENTREPE - e a Escola de Formação Teológica e Profissional - EFTEPRO, em decisão liminar - urgente - de fevereiro.
No mês passado a atuação do MPF do Pará também levou à assinatura de um TAC pela FATETIQ, com sede em Tucuruí, no sudeste do Pará. O TAC prevê medidas reparatórias tanto para o caso de a faculdade conseguir aprovação do MEC para curso de enfermagem quanto para o caso de o curso não ser autorizado.
Além da falta de autorização do MEC para realização de cursos no Pará, empresas que promovem cursos superiores no Estado também estão em processo de descredenciamento pelo MEC por descumprimento de outras regras referentes ao funcionamento de instituições de ensino. Em dezembro de 2013, o MEC descredenciou a Faculdade de Tecnologia AD1, que tem sede no Distrito Federal e atuava no Pará em parceria na UNISABER.
Entre as irregularidades cometidas pela AD1 estão a mudança de local de funcionamento sem autorização do MEC, ausência de atendimento de prazos para protocolo de pedido de reconhecimento de curso, falta de entrega de diplomas aos concluintes dos cursos de graduação e desrespeito a determinação de suspensão de matrículas de novos alunos nos cursos oferecidos pela instituição de ensino.
Outras dez empresas ou foram recomendadas pelo MPF do Pará a suspenderem as atividades irregulares no Pará ou estão respondendo a processos judiciais em que o MPF do Pará pede a suspensão dos cursos. No Estado, há, ainda, dez instituições sob investigação pelo MPF e uma sob investigação do MEC - Faculdade de Ciências Humanas de Vitória, contra a qual o MPF conseguiu na Justiça decisão que obriga a instituição a suspender cursos irregulares no Estado. Durante essa investigação, o MEC já determinou a suspensão de inscrições de novos alunos na FAVIX.
O procurador regional dos direitos do cidadão, Alan Rogério Mansur Silva, responsável pela maioria das ações e investigações, projeta em cerca de 10 mil o número de alunos que todo ano concluem cursos pelas instituições processadas ou investigadas.
 
CURSOS DESCREDENCIADOS
 
A ação contra o Ibes foi proposta em junho de 2012. Investigação do MPF do Pará identificou que o instituto cursos de graduação e pór-graduação em Fordândia, Divinópolis, Rurópolis, Placas, Itaituba, Trairão, Altamira, Novo Progresso, Oriximiná e Santarém. Os cursos, no entanto, não eram credenciados no MEC.
Decisão do Juiz Federal Rafael Lima da Costa impede a empresa de anunciar-se como instituição e de promover cursos de graduação ou pós-graduação sem credenciamento no MEC, além de suspender os cursos ilegais em andamento e as matrículas para esses cursos. A instituição também está proibida de firmar qualquer tipo de convênio, com validade no Estado do Pará, com instituições credenciadas pelo MEC, para expedir diplomas de nível superior a seus alunos.
Por causa dos danos morais provocados, o Ibes foi condenado a pagar R$ 10 mil para cada aluno que participou dos cursos ofertados indevidamente. Para receber a indenização, os alunos devem habilitar-se no processo, ou seja, cadastrarem-se na Justiça como partes interessadas nesse caso - Processo n. 0016414-28.2012.4.01.3900 - 1a Vara Federal em Belém.
 
CONVICTUS E PARCEIRAS
 
A ação contra os cursos ilegais promovidos pela parceria Convictus-Faentrepe-Eftepro foi ajuizada pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão em 7 de fevereiro.
Além de promoverem cursos de graduação e pós-graduação em Belém sem autorização do MEC, as empresas estavam utilizando indevidamente o nome do Centro Universitário Unifafibe, de Barretos-SP, para promover os cursos. Foi a própria Unifafibe quem denunciou a irregularidade à Justiça e à polícia no Estado de São Paulo. A Justiça paulista impediu a Convictus de utilizar o nome do Centro Universitário Unifafibe. As informações chegaram ao MEC, que, por sua vez, enviou os dados ao MPF do Pará.
Em decisão liminar de 12 de fevereiro, o Juiz Federal José Flávio Fonseca de Oliveira determinou que o instituto Convictos e suas parcerias deixem de anunciar cursos superiores no Pará sem autorização legal do MEC. A decisão também proíbe a realização dos cursos irregulares e de matrículas nesses cursos.
Qualquer pessoa que tiver informações sobre a continuidade ou a abertura de possíveis cursos irregulares por essas empresas no Pará pode enviar denúncia ao MPF do Pará pela sala do cidadão.
 
SERVIÇO
 
Para saber se uma instituição de ensino é credenciada ou não junto ao MEC é possível consultar o nome da instituição:
www.emec.mec.gov.be ou 0800-616161 ramal 4 e depois 1
Para denunciar instituições irregulares: www.cidadão.mpf.mp.br
 
 
Por Rubem Tadeu

quarta-feira, 5 de março de 2014

CRISE NA UCRÂNIA É PRENÚNCIO DE GUERRA ENTRE ESTADOS UNIDOS E RÚSSIA

Crédito: AFP
 
 
 
KIEV-UCRÂNIA - Principais acontecimentos desde 18 de fevereiro de 2014, em que o Secretário de Estado Americano, John Kerry, desembarcou nesta terça-feira para apoiar o novo governo em Kiev.
 
 
FEVEREIRO
 
18 a 20 - Explosão de violência em Kiev, ocasião em que os confrontos entre os manifestantes e os policiais deixaram 82 mortos.
Milhares de pessoas ocupam há três meses a Praça da Independência no centro de Kiev. A manifestação nasceu da decisão do poder ucraniano, em novembro, de rejeitar um acordo com a União Europeia, voltando-se para Moscou.
 
22 - O Parlamento depõe Viktor Yanukovytch e estabelece uma eleição presidencial antecipada para 25 de maio, apesar de um acordo obtido com a oposição, na véspera, para por fim à crise. A ex-Primeira-Ministra Yulia Tymochenko é solta da prisão.
 
23 - O Presidente do Parlamento ucraniano, Olexander Turchynov, é eleito presidente interino. Arseni Yaseniuk será designado pelo Parlamento como Primeiro-Ministro do governo de transição.
 
 
24 - A Rússia contesta a legitimidade o novo governo.
 
26 - Na Crimeia, República autônoma e Russófona do Sul da Ucrânia, que abriga a frota russa do Mar Negro, são registrados confrontos entre grupos pró e antirrussos na capital, Simferopol. Por meio de documentos, descobriu-se que Yanukovytch idealizou uma operação antiterrorista para "limpar Kieb".
 
27 - Em Simfeopol, o Parlamento, agora com um comando pró-Rússia, vota pela organização de um referendo, em 30 de março, por mais autonomia e destitui o governo local.
 
28 - Kiev acusa Moscou de "invasão armada e de ocupação", depois que homens armados assumiram o controle dos aeroportos de Belbek - perto de Sebastopol - e de Simferopol. Yanukovytch, alvo de um mandado de prisão por "assassinatos em massa", afirma na Rússia que é "o presidente legítimo" e que foi obrigado a deixar o país por causa de ameaças.
 
Fonte: AFP PHOTO/Jewel Samad
 
 
MARÇO
 
1 - O Conselho da Federação - Senado - russo aprova um pedido de intervenção militar na Ucrânia apresentado pelo presidente Vladimir Putin. Em ligação de 1h30min, Obama diz a Putin que ele violou a lei internacional.
 
2 - A Ucrânia se "encontra à beira da catástrofe", após a declaração de guerra da Rússia - Yaseniuk. Um funcionário americano denuncia que Moscou tem o "controle operacional completo" sobre a Crimeia.
O Chefe da Marinha ucraniana se submete às autoridades locais pró-Rússia da Crimeia. Sete países do G8 suspendem sua presença nos preparativos para a cúpula de Sochi, em junho, na Rússia.
 
3 - Kiev acusa a Rússia de continuar a enviar militares em massa para a Crimeia. Todas as bases militares ucranianas estão cercadas por soldados não identificados. Washington suspende sua cooperação militar com a Rússia.
 
 
4 - Vladimir Putin nega qualquer envolvimento russo e denuncia um "golpe de Estado" contra o único presidente legítimo, em alusão a Yanukovytch. Ele acrescenta que uma intervenção militar russa não é necessária no momento, mas que a Rússia se reserva o direito de recorrer a todos os meios para proteger seus cidadãos.
As declarações de Putin não enganam a ninguém, afirma o presidente americano, Barack Obama. Em Kiev, o Secretário de Estado americano, John Kerry, condena o ato de agressão da Rússia, mas garante que os Estados Unidos não procuram uma confrontação com Moscou.
Segundo um Oficial ucraniano, as forças russas que cercam a base de Belbek atiraram nos militares ucranianos. Acontecem os primeiros contatos tímidos entre o novo poder ucraniano e Moscrou - Yaseniuk.
A companhia russa Gazprom anuncia que vai por fim, a partir de abril, à redução no preço do gás vendido para a Ucrânia. A União Europeia se compromete a ajudar Kiev a regularizar sua dívida de US$ 2 bilhões pela compra do gás russo. Washington oferece US$ 1 bilhão, dentro de um empréstimo internacional.
 
 
Por Rubem Tadeu - Presidente